A história particular de cada paisagem torna-a única. Assim como são únicos os seus atores relevantes, em particular, as suas guardiãs e guardiões – anónimos promotores das formas de cultivo e da cozinha popular e tradicional local.

Estamos particularmente atentos a sistemas alimentares fortemente influenciados por elementos da ocupação humana e/ou da cultura religiosa, incluindo, elementos vinculados a relações sociais e de poder, como por exemplo, sobre a terra ou outros recursos naturais.

O papel de cada um dos elementos é menos o resultado das suas propriedades do que o modo como eles foram historicamente justapostos e combinados,conformando padrões identitários únicos.

Chef José Avillez, de Portugal:

– Como vê a relação entre a valorização da culinária popular portuguesa e o atual flagelo da desertificação humana no meio rural? O que é “comida de verdade”?

Chef Alex Atala, do Brasil:

-O que é “comida de verdade”? E qual é a relação de um povo com a sua cultura alimentar?

Chef Henrique Sá Pessoa, de Portugal:

– Qual a relação entre a valorização da culinária popular portuguesa e a desertificação humana no meio rural?

 

Alfredo Sendim, agricultor português, partilha o que entende por comida de verdade e sobre:

-Como podemos valorizar e resgatar a cultura alimentar local?

Chef Douglas Mcmaster, de Brighton (UK):

-Como podemos demonstrar respeito pela comida?

Chef Duangporn Songivsava (Bo), da Tailândia:

-Qual a importância de apoiar os agricultora/es locais?